quarta-feira, julho 30, 2008

A mentira dos jogos

Há quem pense que se trata apenas de desporto. Para uns é uma questão de sobrevivência. Para outros, a inocência e a imaturidade. É a luta contra o esquecimento e a indiferença. E contra os limites do homem. É a menina do ditador contra o playboy chinês. O americano do Gana contra o preto russo. O velho gigante contra o novo. A perfeição. A lei do mais forte. O menino bonito. O guerreiro vencido. A consagração do amor. A eternamente jovem contra o jovem dorminhoco. A família perfeita contra a vida imperfeita. O significado de estar presente e de não estar.

Que fique claro. Nunca se tratou apenas de uns simples jogos.

ACT(31/07): Afinal, parece que alguns atletas iraquianos vão poder ir aos jogos.. O comité olímpico voltou atrás e permitiu a inscrição dos atletas daquele país. É pena é que o prazo de inscrição para a maioria das provas já tenha expirado. Substituí o último link, porque parece que a Dana Hussein ainda vai a tempo de participar.

3 comentários:

manuel disse...

O.O como chegou esse senhor a Presidente do Comité Olímpico??
O desporto é um exemplo de esperança que cruza inúmeras barreiras. A própria origem dos Olímpicos remonta a religião grega e os vencedores eram condecorados com uma coroa de oliveira, símbolo de paz.

Além de que a política não é um emprego, é mais um domínio de uma vida em sociedade!

Palhaço...

Teresa disse...

manuel: eu até aceito que ele esteja a defender os atletas. é esse o trabalho dele..

mas acho que há muito mais no jogos para além do desporto, é claro. as estórias por trás de cada atleta são muito mais interessantes. e isto é só a minha opinião:)

manuel disse...

Eu aceito q ele defenda e protega os atletas. E tenho a certeza que cada atleta tem os seus motivos para participar ou não. O teu post mostra as inúmeras histórias por trás de cada atleta, a diversidade de motivações.

"A profissão deles é resultados, é participar no desporto, não é fazer boicotes, nem fazer declarações políticas."

É com esta frase dele que eu não concordo. A profissão deles não é fazer declarções políticas, é verdade, não são pagos para isso. Mas também são pessoas porra! Pode ser uma atitude protectora para com os atletas, mas por outro lado tambem parece uma censura.